quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Zumba Fitness - Música de Angola

Jornal da Angola
17/09/2011
O Ministério do Ambiente lançou ontem em Luanda três projectos, no âmbito da execução da Convenção das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas.
Os projectos visam a execução dos Mecanismos de Desenvolvimento Limpo (MDL) em Angola, a instalação do Centro de Alterações Climáticas e Biodiversidade e a Campanha Nacional de Protecção da Biodiversidade e Reflorestação.
Os projectos contam com o apoio financeiro da petrolífera Total E&P Angola e estão orçados em cerca de 5,3 milhões de dólares. Envolvem todos sectores do Executivo abrangidos pela Estratégia Nacional de Alterações Climáticas.
O Centro de Alterações Climáticas e Biodiversidade visa a pesquisa interdisciplinar sobre a biodiversidade dos diferentes ecossistemas, através da avaliação específica dos efeitos das alterações climáticas nas comunidades locais com a instalação de dois laboratórios móveis. O projecto de execução do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo tem como objectivo inventariar as emissões de gases de base de Angola e reportar às organizações internacionais.
Já a Campanha Nacional de Protecção da Biodiversidade e Reflorestação visa lançar uma vaga nacional de amigos da biodiversidade onde cada um se responsabiliza e assume a importância do seu papel na preservação.
A ministra do Ambiente, Fátima Jardim, afirmou que estes projectos surgem para materializar e apoiar os programas nacionais, como a gestão do ambiente e o Programa Nacional das Alterações Climáticas. "As políticas públicas para o ambiente constituem uma nova área da sociedade moderna e consolida o pensamento do desenvolvimento sustentável", disse a ministra. Fátima Jardim sublinhou que o Executivo está a adoptar normas e pacotes legislativos multidisciplinares para mitigar os danos causados pela utilização dos recursos naturais. "Esta complexa interdependência evidencia que todos nós devemos fazer o uso disciplinar dos recursos naturais", referiu.
Para a ministra, o processo de globalização dá prioridade a uma agenda de acções sustentáveis.

Católicos angolanos em Madrid para encontro com o Papa

Angop
15-08-2011 21:05

Madrid (Do enviado especial) – Qunhentos e 520 jovens angolanos começaram a escalar hoje (segunda-feira) a cidade de Madrid, capital da Espanha, para o encontro com o Papa Bento XVI durante as jornadas mundiais da juventude católica, a decorrer de 16 a 21 de Agosto.

Encabeçada pelo bispo do Kwanza Norte e presidente da comissão da juventude da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé, dom Almeida Kanda, a delegaçao nacional integra cinco grupos diferentes, nomeadamente do secretariado nacional da pastoral juvenil, das irmãs Mercedárias da Caridade, dos neo-catecumentatos, da congregação dos padres salesianos em colaboração com a Universidade Católica e participantes voluntários.

Do encontro internacional do Santo Padre com a juventude preveêm participar mais de 100 mil peregrinos oriundos dos cinco continentes.

O evento que marca a XXVI edição das jornadas mundiais da juventude, decorre no presente ano sob o lema “Enraizados e edificados em Cristo - firmes na fé”, que segundo o Santo Padre constitui uma ocasião para que os jovens professem e proclamem cada vez mais a alegria da sua fé em Cristo.

Numa mensagem dirigida aos jovens em alusão ao encontro internacional, Bento XVI refere que o momento visa igualmente garantir que, estando congregados num único espaço os jovens possam interrogar-se sobre as aspirações mais profundas do mundo actual, experimentar a comunicação com a igreja e comprometer-se com a urgência da missão da nova evangelização.

“A finalidade principal das jornadas mundiais da juventude visa colocar Jesus Cristo no centro da fé e da vida de cada cristão, sendo a principal escola de pastoral juvenil da igreja católica “, manifesta o Santo Padre na missiva.

Com a presente participação, Angola marca presença pela nona vez consecutiva nas jornadas mundiais, sendo a última em Sidney (Austrália), em 2008.

O evento consiste numa reunião de cristãos católicos, sobretudo jovens, sendo celebrado a cada dois ou três anos, numa cidade escolhida para acolher a jornada em que participam pessoas de todo mundo.













segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Descoberto no Ambriz esqueleto de dinossauro

Jornal de Angola - Garrido Fragoso
Segunda, 15 de Agosto 2011 Fotografia: Rogério Tuti


O esqueleto do primeiro dinossauro descoberto em Angola foi ontem apresentado à comunidade científica angolana, na Escola Nacional de Administração (ENAD), em Luanda, em cerimónia presenciada pela ministra do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia, Cândida Teixeira.


Denominado "Angolatitan Adamastor", o esqueleto do dinossauro foi descoberto em 2005 por especialistas nacionais e estrangeiros, a 70 quilómetros a norte de Luanda, na região de Lembe, na localidade de Ambriz. Tem 13 metros de cumprimento e viveu há 90 milhões de anos. Segundo cientistas é uma das poucas ocorrências do género na África subsaariana.

O esqueleto do dinossauro foi totalmente reconstituído e está exposto para a população e turistas no Museu de Geologia da Universidade Agostinho Neto, no âmbito do projecto PaleoAngola, enquanto se aguarda pela conclusão das obras do Museu de Ciência e Tecnologia, onde vai ser colocado.

O acervo de fósseis já encontrados em Angola, segundo a ministra do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia, Cândida Teixeira, não se restringe ao "Angolatitan Adamastor", havendo ainda a salientar a descoberta da tartaruga marinha mais antiga de África, a "Angolachelis".

Cândida Teixeira disse que a exposição, em tamanho natural, foi possível graças a uma estreita cooperação entre países e envolvimento de diversas universidades e centros de investigação.

A ministra sublinhou que o conhecimento científico deve ser desenvolvido em Angola. A divulgação do dinossauro, acrescentou a ministra, deve servir de alavanca para a promoção do desenvolvimento da sociedade do conhecimento, através das instituições do ensino superior e instituições de investigação científica.

A ministra pediu dedicação abnegada à investigação científica com recurso à cooperação de cientistas experientes na matéria.

O "Angolatitan Adamastor" foi descoberto por especialistas nacionais e estrangeiros na região do Lembe no município do Ambriz


quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Angola inicia levantamento da biodiversidade do Maiombe

África 21 - DFÁfrica 21 - DF
10/08/2011 - 11:00
Angola

Ministério do Ambiente angolano inicia levantamento da biodiversidade do Maiombe

Os trabalhos de levantamento da biodiversidade serão orientados pelo Ministério do Ambiente e envolverão técnicos de diversos sectores e consultores internacionais.
O levantamento da biodiversidade existente na floresta do Maiombe, na província de Cabinda, no norte de Angola, deverá ser iniciada este mês, visando a criação do parque nacional, no âmbito do memorando tripartido para a criação da área transfronteiriça entre Angola, Congo e República Democrática do Congo.
Os trabalhos de levantamento da biodiversidade serão orientados pelo Ministério do Ambiente e envolverão técnicos de diversos sectores e consultores internacionais. .
Segundo o coordenador da unidade Maiombe, Miguel Xavier, disse que a criação do Parque Nacional do Maiombe, cuja proposta já foi aprovada pelo Conselho de Ministros, faltando apenas a sua aprovação por parte da Assembleia Nacional, será um passo que vai permitir a protecção e conservação da diversidade biológica existente naquele bioma.
“Estamos a trabalhar no sentido da criação do Comité Técnico Nacional que, em colaboração com as comunidades locais, vão definir os limites do Parque Nacional do Maiombe”, disse.
A caça furtiva e a exploração de madeira de forma anárquica têm vindo a reduzir a floresta e a diversidade animal. O Parque Nacional do Maiombe terá 1.930 quilómetros quadrados de área. 
As informações são da Angop, retiradas ddo portal África 21 Digital de 11/08/2011 - 08:45.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Angola avança na padronização das língua nacionais

16/03/2011

Luanda

Angola conta já com trabalhos muito avançados na padronização e uniformização de alfabeto de pelo menos seis línguas nacionais, disse, hoje, à Angop, o vice-ministro da Cultura, Cornélio Caley. O responsável falava à Angop, à margem do encerramento do 1º Worshop Internacional que decorreu em Luanda, de 14 a 15 de Março, no âmbito do programa do Ministério da Cultura que prevê, entre outras políticas, o estudo, valorização e padronização da ortografia do alfabeto das línguas nacionais.


Segundo o vice-ministro, estes avanços são bastante importantes, já que ao “examinar-se o que já existe, provavelmente não seja mais necessário realizar outros encontros para debater os conceitos e a sua padronização”.

Disse que a harmonização “é a forma de encontrar um alfabeto comum das línguas nacionais em Angola, mas, constatou-se que já existem muitos avanços neste domínio”.

Indicou, à propósito, que além deste workshop internacional foram já realizados quatro encontros (seminários) sobre línguas nacionais, os quais permitiram registar esses avanços em termos de conceitos padronizados, em pelo menos algumas línguas mais faladas.

As línguas nacionais Kikongo, Kimbundo, Cokwe, N’haneka Humbe, N’ganguela, Umbundo e Kuanhama já contam com alfabeto próprio, segundo garantias do vice-ministro, Cornélio Caley.

Lamentou a ausência de representante dos Koisan, motivada pela inexistência de peritos em linguística desta área etnolinguística.

“Os especialistas desta área (dos Koisans) dedicam-se mais ao estudo antropológico e não propriamente da linguística. Penso que devemos formar quadros nesse domínio, sob pena de extinção”, defendeu o responsável, sem avançar horizonte.

Outro aspecto apontado como estando na base da ausência de um especialista em linguística daquele grupo étnico tem a ver com o facto de os seus falantes serem em número muito reduzido no país.

“É preciso estimular à fala das línguas nacionais, porque isso leva à participação das pessoas. Tem que se fazer um enorme esforço na área da linguística, para que a medicina, a botânica, a poesia, os instrumentos de trabalho e tudo que diz respeito a nossa vida sejam também abordados e compreendidos através de livros escritos em línguas nacionais”, enfatizou, acrescentando que sem a escrita tudo desaparece.

Disse que aquilo que o Ministério da Cultura está a fazer, no âmbito da padronização dos conceitos, visa conferir instrumentos ao Ministério da Educação, no sentido de tomar o ensino padronizado das línguas nacionais nas escolas do país como algo normal.

“Queremos dar instrumentos técnico-científicos ao Ministério da Educação”, concluiu.

fonte: ANGOP
Categories:
Angola
Tags:
alfabeto, Cokwe, Kikongo, Kimbundo, Kuanhama, línguas nacionais, N'ganguela, N'haneka Humbe, padronização, Umbundo